fado-loucura-ana moura

Fado Loucura

Fado Loucura

FADO LOUCURA
Ana Moura

Sou do fado, como sei
Vivo um poema cantado
De um fado que eu inventei
A falar, não posso dar-me
Mas ponho a alma a cantar e as
Almas, as almas sabem escutar-me
Chorei, chorei, poetas do meu país
Troncos da mesma raiz
Da vida que nos juntou
E se vocês não estivessem a meu lado
Então, não havia fado
Nem fadistas como eu sou
Esta voz tão dolorida, é culpa de todos vós
Poetas da minha vida
É loucura! Oiço dizer, mas bendita esta
Loucura, de cantar e de sofrer
Chorei, chorei, poetas do meu país
Troncos da mesma raiz da vida que nos juntou
E se vocês não estivessem a meu lado
Então, não havia fado
Nem fadistas como eu sou
E se vocês não estivessem a meu lado
Então, não havia fado
Nem fadistas como eu sou

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *